A PARÓQUIA

Paróquia Nossa Senhora das Graças
Arquidiocese de Vitória da Conquista-BA- Brasil

Pça. Dom Climério de Abdrade- Centro- 226
Cep.: 45157-000  C. Postal:  06.
Fone/Fax: 077 3438-1279
E-mail: paroquiansg@oi.com.br
www.paroquiansg.com

 
A Paróquia Nossa Senhora das Graças em Cândido Sales pertence à Arquidiocese de Vitória da Conquista - Bahia, Brasil, instituição religiosa católica.



Pároco:         Pe. Paulo Raimundo dos Santos
Secretario:     Jaivan Rocha Viana
Auxiliar Adm.:  Anderson Almeida dos Santos

 





Nossa missão é anunciar Jesus Cristo, formando uma comunidade de fé, que se alimenta da Eucaristia e da Palavra, para melhor servir aos irmãos.



Orientação Espiritual e Confissão:  
                                     Terça a sexta das 14 H 30 às 17 H
                                (recomenda-se marcar horário previamente)

Secretaria  -   horários de funcionamento:
                      
Segunda a sexta das 08 H às 12 H e  14 H às 17 H  30 minutos.
                       (atendimento ao público)
Sábado das 8 H às 12 horas.
            (atendimento restrito)



                       Santa Missa:

Domingo:            08 H      e   as  19 H 30 minutos.  Matriz
                        
Segunda-feira:        19 horas.    Matriz.
                            
Quarta-feira:          19 H 30 minutos
     1ª   quarta:     Capela São João Batista     -   Lagonhia.
     2ª   quarta:     Capela  N. Sra. de Fátima   -   Usina
     3ª   quarta:     Capela São José                  -   Loteamento
     4ª   quarta:     Capela Santa Luzia             -   Célio Alves

     5ª   quarta ou última quinta:   Capela N. Sra. Aparecida 
                                                                     -   Nova Conquista



1ª Quinta-feira:     Adoração ao Santíssimo Sacramento    
                                                   19 H 30 minutos.  Matriz.

1ª Sexta-feira:      Missa -  Sagrado Coração de Jesus.     
                                                   19 H 30 minutos   Matriz.


1ª Sábado:          Reza do Santo Rozário.             
                                                   19 Horas             Matriz.

OBJETIVO GERAL:


Evangelizar o povo desta Paróquia, a partir do encontro com Jesus Cristo, como discípulos missionários, sob a ação do Espírito Santo e à luz da palavra de Deus, promovendo a permanente conversão da pessoa, renovando a comunidade e participando na transformação da sociedade  “ para que todos tenham vida e a tenham em abundância”  (Jo 10,10): De 2005-20015 através das: SANTAS MISSÕES POPULARES

Objetivos

Objetivo Geral 

Evangelizar, sendo Igreja serviço, diálogo, anúncio, testemunho de comunhão, servindo à promoção da dignidade da pessoa humana, a renovação da comunidade e a construção da sociedade solidária, tendo por prioridade os Grupos de Reflexão, a caminho do reino definitivo.

Objetivos específicos

1. Dinamizar o ministério da Palavra: cursos bíblicos, círculos bíblicos, leitura orante da Bíblia, anúncio da Palavra, celebração da Palavra, Catequese, ensino religioso.
2. Dinamizar o ministério da Liturgia: celebração da missa dominical, celebração dos sacramentos, pastoral sacramental, religiosidade popular.
3. Dinamizar o ministério da caridade: a espiritualidade de comunhão, a opção evangélica pelos pobres, a defesa dos direitos humanos, a participação na vida política, a prática da solidariedade, e transformação da realidade.

Realidade Eclesial
1. Nosso catolicismo tem conotação de vivacidade e dinamismo, devido à migração de católicos provenientes do Norte do País e Estados, Pernambuco, Ceará, Paraíba, Sergipe, Minas Gerais e centro-oeste da Bahia, graças a opção de nossa Igreja pela teologia do Concílio Vaticano II, de Medellín, Puebla e Santo Domingo. Há, porém um forte tradicionalismo.
2. Nossa história religiosa se caracteriza pelo ecumenismo, profetismo, ministerialidade e comunidades eclesiais de base, sendo que hoje sobressaem os grupos de reflexão, novas pastorais e formação de lideranças.
3. Há um grande esforço na promoção da formação geral do povo, das comunidades e das lideranças, mas a nível paroquial e comarcal há defasagens.
4. Aumentaram as vocações e a Paróquia está organizando sua economia e sua infra-estrutura através da construção de Igreja Matriz e Comunidades Rurais e ajuda aos Seminários.
5. Cresceram os movimentos e a abertura dos mesmos para a paróquia, a diocese, a doutrina social da Igreja, mas há ainda grandes resistências.

Prioridade Paroquial

Instituir o Ministério de Visita às Casas, com a faculdade de visitar, abençoar quando houvesse condições, até que nas ruas, e bairros, se possa iniciar um Grupo de Reflexão. 

A Paróquia produzirá material para os Grupos (livrinhos das Reuniões) e preparará líderes para este Ministério. 

Os movimentos , as pastorais, as ceb's além de suas organizações próprias, deverão formar Grupos de Reflexão, sempre respeitando os três elementos: Oração, Reflexão e Ação. 

Serão incentivadas as Santas Missões, isto é , o trabalho com as massas,cuja finalidade será a criação dos GR.

Realidade Social

1. A paróquia de Cândido Sales localiza-se em regiões urbana onde grande pólo comercial, a promoção e o encontro de culturas, religiões, a migração e mobilidade humana, marcam fortemente a realidade social e religiosa.
2. Geograficamente a paróquia abrange duas regiões: a urbana e a rural, com a facilidade de mobilização e comunicação.
3. Culturalmente a região é bem servida de Escolas, Universidades, festas culturais e religiosas, tem intenso contato com os municípios vizinhos e outras regiões brasileiras.
4. Há um grande senso de solidariedade, e intenso cultivo das tradições culturais e religiosas na região.


Celebração da caminhada bimilenar da Igreja na história dos homens, sinal do Eterno no mundo e na história. Já sabemos que a celebração da caminhada da Igreja - O Santo Padre no-lo indica na sua enciclica - é uma ocasião de a Igreja render graças a Deus; de pedir perdão e de renovar a sua principal missão que é de EVANGELIZAR.

A renovação da missão da Igreja só acontecerá se houver a renovação dos seus filhos, a nossa renovação. A nossa renocação, por sua vez, será possível, eficaz se se inspirar nas notas da Igreja, notas porque a visibilizam naquilo que Ela é, Ela é:

UNA: una da Fé, una da moral; una da disciplina ou seja, uma naquilo que devemos crer e no jeito com que devemos srer.(ider quae, fides qua); una no agir e no jeito de agir. Estudar a este propósito o MOTU POPRIO do Santo Padre.

SANTA: A Igreja é santa porque surgiu do MISTÈRIO Santo de Deus: querida pelo Pai, fundadmentada na missão do Verbo Encarnado e irrorada  pelo seu Sangue derramado; santa porque Jesus é a cabeça dela e é vivificada pelo Espírito santo. Santa porque proclama a santa palavra e celebra o mistério de Cristo pelos Sacramentos. Santa porque, a motivo de tudo isso, gerou e gera, ao longo de 2000 anos, a santidade entre os homens.

APOSTÓLICA: fruto da Comunidade apostólica de Jesus à qual Ele deu poderes e autoridade, entendida como serviço de ensinar, de governar e de santificar. Em particular, é apostólica, porque, como na comunidade apostólica jesuana existia o Colégio dos DOZE tendo Pedro como cabeça vicária (visível), assim na Igreja que caminha pelos séculos, já faz mais de dois mil anos, existe o Colégio dos bispos em comunhão com o Ramano Pontífice, secessor de Pedro.

CATÓLICA: universal no tempo e no espaço; ontem, hoje e sempre; com a missão de anunciar o EVANGELHO a todos os povos, de todas as raças, línguas; presente, então, ou capaz de estar presente como fermento na massa em todas as culturas. Católica porque portadora de uma mensagem que pode ser compreendida por todos os homens e que fala a todo o homem.

As notas da Igreja não dependem de nós e sim dependem dela mesma como foi pensada e amada pelo Pai, Felho e Espírito Santo. No entanto a visibilidade destas notas depende de nós cristãos, leigos, sacerdotes, religiosos(os).

Se a Igreja particular é a concretização no tempo e no espaço da CATÓLICA - nela tota subsisstit - é forçoso dizer que depende de nós a visibilidade destas notas. Nós é que podemos mostrar ao mundo, com o nosso testemunho de unidade, de catolicidade, de santidade, de apostolicidade, que a Igreja é UNA, SANTA, CATÓLICA e APOSTÓLICA.


----------------------------------------------------------------------


A Igreja Católica, chamada também de Igreja Católica Romana e Igreja Católica Apostólica Romana, é a Igreja fundada por Jesus Cristo aproximadamente dois mil anos, colocada sob a autoridade suprema do Papa, Bispo de Roma e sucessor do apóstolo Pedro.

Seu objetivo é a conversão ao ensinamento e à pessoa de Jesus Cristo em vista do Reino de Deus. Para este fim, ela administra os sacramentos e prega o Evangelho de Jesus Cristo. Atua em programas sociais e instituições em todo o mundo, incluindo escolas, universidades, hospitais e abrigos, bem como administra outras instituições de caridade, que ajudam famílias, pobres, idosos e doentes.

Ela elaborou sua doutrina ao longo dos concílios a partir da Bíblia, comentados pelos Pais e pelos doutores da Igreja. Ela propõe uma vida espiritual e uma regra de vida aos seus fiéis inspirada no Evangelho e definidas de maneira precisa. Regida pelo Código de Direito Canônico, ela se compõe, além da sua muita bem conhecida hierarquia ascendente que vai desde do simples diácono ao supremo Papa, de vários movimentos apostólicos, que comportam notadamente as ordens religiosas, os institutos seculares e uma ampla diversidade de organizações e movimentos de leigos.

Neste espaço do Blog você encontrará as mais diversas informações sobre a Igreja Católica, sua doutrina, organização, leis e pensamentos.



     PARÓQUIA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS.

      ARQUIDIOCESE DE VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA

Praça Dom Climério de Andrade, 226 -  Centro  CEP 45. 157 – 000

TELE / FAX: (077) 3438 –1279. Cândido Sales – Bahia.

 www.paroquiansghd1.com.br     www.paroquiasng.com     e-mail:  paroquiansg@oi.com.br
 

Igreja, Comunidade de Comunidades:
Experiências e Avanços





Projeto de
Setorização







2010



     

APRESENTAÇÃO


Renovar a Coordenação Pastoral e Paroquial

Graças a Deus, existem na Paróquia Nossa Senhora das Graças de Cândido Sales muitas organizações e iniciativas pastorais, que contribuem para realizar a missão da Igreja. Elas estão presentes e organizadas em  torno do agir pastoral, Movimentos e Novas Comunidades. Não se pode desconhecer que prestam grande ajuda à Igreja; melhor dito, são expressões variadas da ação da própria Igreja, animada pelo Espírito Santo.

Ao pastor da Igreja, cabe a animação, a formação e a coordenação de todas essas expressões de vida eclesial; é próprio do seu ministério promover a unidade, a vitalidade e a harmonia entre todos os membros do Corpo de Cristo e, para isso, recebeu um dom especial do Espírito Santo, através do Sacramento da Ordem. Em outras palavras, recebeu o encargo de zelar pela “pastoral de conjunto”, que não é outra coisa do que promover o bem e a missão da Igreja no seu conjunto, e não apenas de uma parte dela.

Em nossa Paróquia, por vários anos, o acompanhamento da vida pastoral e sua coordenação estavam organizados em torno das 4 dimensões da evangelização e da missão da Igreja: anúncio, diálogo, serviço e testemunho de comunhão. Assim, esperava-se que todas as iniciativas e organizações pastorais pudessem agrupar-se em torno de alguma dessas quatro dimensões, para serem melhor e mais facilmente acompanhadas. Não parece que
isso tenha funcionado satisfatoriamente; além disso as 4 dimensões, acima mencionadas, não devem ser separadas, mas precisam estar presentes em toda organização e ação pastoral da Igreja. Não havendo uma coordenação pastoral adequada, com o passar do tempo, a tendência é a dispersão da ação eclesial, com a consequente perda da visão do conjunto.

A nova proposta, que nasce também de uma reformulação do Conselho Pastoral de Pastoral, CPP, é organizar Coordenações de Setores de Pastoral, que se aproximem da forma como a própria Conferência dos Bispos (CNBB) acompanha a evangelização e a vida eclesial no Brasil. Está claro, não teremos 10 “Comissões Pastorais”, como na CNBB, mas uma série de Coordenações Paroquial de Setores de Pastoral, que terão a tarefa de acompanhar as iniciativas e organizações pastorais relacionadas com elas. Assim, a Coordenação Paroquial da Juventude acompanhará todas as iniciativas e organizações pastorais voltadas para a Juventude; da mesma forma, a Coordenação Paroquial de Pastoral da Família, Pastoral da Liturgia, ou da Pastoral da Animação Bíblico - Catequética... Cada Coordenação desses Pastorais deverá promover as 4 dimensões da ação evangelizadora e pastoral da Igreja.

O conjunto das Coordenações Paroquial de Pastoral contemplará os seguintes Setores de Pastoral: 1) Setor 01- Comunidades Urbanas (capelas: São João Batista – Lagoinha; São José – Loteamento Primavera; Santa Luzia – Célio Alves; Nossa Senhora Aparecida – Nova Conquista e Nossa Senhora de Fátima - Usina.) e Grupos de Reflexão; Comunidades Rurais 2) Setor 02; Nossa Senhora Aparecida – Guaribas; Nossa Senhora Aparecida – Porto de Santa Cruz; Nossa Senhora Aparecida – Lagoa Do Domingão; 3) Setor 03; Nossa Senhora Aparecida – Vistoso; São José – Lagoa do Moreira; Nossa Senhora Aparecida – Mandacaru; Nossa Senhora Aparecida – Espírito Santo e Nossa Senhora de Fátima – Boi Bravo; 4) Setor 04; Nossa Senhora de Fátima – Água Verde; Nossa Senhora da Conceição - Boqueirão dos Franças; Nossa Senhora de Guadalupe – Boqueirão do Deraldo; Nossa Senhora Aparecida – Boqueirão dos Marotos; São Sebastião – Abade; e Nossa Senhora de Fátima – Bebedouro:  - 5) Setor 05 Nossa Senhora de Fátima – Mubumca; São José Bomba: São João Batista – Barro do furado; São José – Barro Vermelho; Nossa Senhora Aparecida e – Senhor do Bonfim Estiva; e Cova do Irmão Antônio;6) Setor 06 São Domingos Gusmão – Quaraçú; Nossa Senhora da Conceição – Pau Ferro; Nossa Senhora Aparecida – Furado da Cancela; e São Sebastião – Lagoa do Timóteo;. 7) Setor 07 Santa Luzia – Lagoa do Rocha; Nossa Senhora Aparecida – Lagoa Grande; Senhor Bom Jesus – Marimbo; São Francisco – Papagaio; São Sebastião – Possidonio.  Cada uma dessas Coordenações deverá ter sua equipe de coordenação de âmbito paroquial e também no setor.

Nas comunidades rurais e pequenas comunidades locais é possível que nem todas essas Coordenações sejam necessárias; mas algumas delas são essenciais e não deverão faltar. É um discernimento que deverá ser feito com sabedoria e prudência pastoral.

Evidentemente, não partimos do zero, mas pressupondo que a maioria dessas pastorais já existem na paróquia, pelo menos, em partes dela; aqui está em jogo uma nova organização do acompanhamento pastoral, para atender melhor ao conjunto e para imprimir um novo dinamismo pastoral na vida da Comunidade paroquial. É de se esperar que em cada setor  também se faça a organização do Conselho de Pastoral paroquial e do acompanhamento pastoral da forma proposta; não deveriam existir setores da vida e da missão eclesial desatendidos.

Tenho plena consciência de que a implantação de um novo modelo de coordenação pastoral requer tempo, paciência e determinação. Mas penso também que seja este o caminho que devemos percorrer; pois a “conversão pastoral e missionária”, pedida pela Igreja em Aparecida também passa pela revisão e adequação das estruturas pastorais.




Pe. Paulo Raimundo dos Santos
                                                                                                                                                                         Pároco



Cândido Sales-BA.
Projeto de Setorização.

1. Objetivo:

       Dividir em setores o território paroquial com o intuito de formar comunidades em cada setor, tornando a paróquia uma rede de comunidades.


Fundamentação:
Documento de Aparecida


Metodologia:
- Visualizando em um mapa, dividir o território paroquial em vários setores, nomeando-os: setor 1 / setor 2/ setor 3 etc.

Cada setor deverá ser escolhido um Ministro da Coordenação e se possível um Ministro da Palavra e um Ministro da Catequese.

Neste processo de escolha é conveniente que seja envolvido o CPP para as devidas indicações de nomes.

Feita as consultas e necessárias nomeações, o Ministro da Coordenação auxiliado pelos demais ministros, deverá fazer um levantamento no seu território (setor) de:
       Nomes das ruas e possíveis coordenadores de ruas (moradores engajados) etc.; verificar o que existe de forças pastorais organizados (grupo de terços, mãe rainha etc.) e um pequeno planejamento inicial.

O Planejamento inicial poderá constar de pequenas celebrações, estudos e planejamento da Campanha da fraternidade ­Natal em Família, Círculos Bíblicos etc.
 
2.  Processo:

A- Primeiros nove meses: (Gestação)

Após verificar as forças vivas, inclusive assegurar um coordenador em cada comunidade, seria útil que paralelo aos trabalhos celebrativos ou outras iniciativas planejadas, se priorizassem uma formação Bíblica ­espiritual com todos os coordenadores de comunidades e engajados no projeto.

Proposta:

1-                Leitura meditada dos evangelhos, iniciando do capitulo 1 até o último capítulo (sugestão evangelho de São Lucas). Metodologia: Em forma de círculo de leitura, de forma saborosa passa-se ler (como em jogral) o evangelho. Uma única edição levará aos participantes a um passeio com o Cristo do Evangelho. Após o tempo estabelecido (máximo uma hora semanal), os últimos 15 minutos, partilhas e dúvidas, ajudarão a formar o discípulo.

2-                Igualmente a leitura de Atos dos Apóstolos, ajudará a conhecer a Igreja primitiva.

·                   Nota importante: Não se preocupar com exegeses, aprofundamentos, apenas verificar se a dicção e dinamismo da leitura estão ajudando na formação do discípulo de Jesus.

Frisamos a importância desta reunião com as lideranças de forma mensal, com duração máxima de 1/15 mim.


Neste período, pequenas tardes de oração com a Léccio Divina e espiritualidade sólida ajudarão no processo de formação.
 
5 - Discipulado:

Esta fase é sem duvida a de suma importância, pois foi convivendo com Jesus que os escolhidos se tornaram discípulos e posteriormente missionários. Para tanto se propõe:

A- Nascimento e desenvolvimento e Consciência de Discipulo-Missionário:

Após o período estabelecido na fase denominada gestação (sugestão de 3 meses), passa-se a esta nova fase, fase de avaliação, planejamento e envio.

Prioridades nesta fase:

·Onde ainda não se tem, formar os grupos de orações, vivencia da fé  ou fortalecer os que já nasceram.
·Gradativamente a cada 12 ruas se propor o agrupamento formando uma nova  comunidade.
·Cada suposta comunidade se sugere que se estabeleça um calendário de atividades como: celebrações semanais da Palavra, catequese de crianças, jovens e adultos, legião de Maria, etc.
·Em cada rua seria interessante semanalmente se criar os círculos bíblicos. Para tanto assinar algum subsídio ou se propor que se repita a mesma metodologia experimentada pelas lideranças ou seja leitura meditativa capítulo a capítulo de um evangelho.

A - Organismo de Comunhão:

- CPP I Conselho Pastoral Paroquial com seu estatuto de acordo ao previsto pelo 1º Sínodo Diocesano.
- CPS I  Conselho Pastoral do Setor, dirigido pelo Ministro da Coordenação e integrado pelos principais coordenadores do setor.
- CPCI Conselho Pastoral da Comunidade: onde existe comunidade já organizada este conselho será formado pelas lideranças da comunidade.
- Objetivo destes Conselhos: Avaliar e Planejar a caminhada.


D - Sugestões importantes:

·                   O pároco deve ser reunir mensalmente com os Ministros da Coordenação e da Palavra. Este será o grupo do Pároco, com eles, a paróquia será coordenada.  As decisões e assuntos importantes seja discutida nesta instancia, e se necessário posteriormente levada ao CPP.
·                   É recomendável que seja mensal esta reunião.
·                   Com o fortalecimento dos setores, conseqüência dos grupos de ruas e formação de comunidades, as sedes como ponto de apoio (salões, capelas, garagens, etc.) devem proporcionalmente serem adquiridos. Inicialmente alugando casas, garagens etc., posteriormente se construindo salões, capelas etc.
·                   A pastoral do dizimo pode se incluída neste processo, promovendo encontrões de entretenimento etc.,
·                   As pastorais e movimentos concentrados na matriz podem gradativamente assumirem preparação para batismo, catequese de crianças - jovens e adultos atc, como ações missionárias nos setores já organizados.
·                   Calendário de outras atividades por setor como missas, celebrações populares com ministérios de música, gincanas bíblicas, passeios etc., na praça ou em lugares estratégicos serão importantes para se cumprir o objetivo da Setorização: formar discípulos e despertar missionários.
·                   O calendário da Matriz deve ser organizado de forma que não sufoque os setores. A Matriz continua a ter a sua importância como comunidade mãe que está a serviço dos setores, não permitindo mais nenhuma centralização que não colabore para o fortalecimento das redes de comunidades.